Seguindo a tendência mundial, parece que mais um banco se rendeu ao universo cripto. O Banco Santander do Brasil (BSBR), um grupo bancário global e considerado como o quarto maior banco da zona euro em 2021, parece estar interessado no lançamento de serviços para realização de negociações por meio de criptomoedas no Brasil. O CEO da empresa, Mário Leão, informou, em entrevista concedida ao Jornal Folha de São Paulo, que serão anunciadas mais informações ainda esse ano, principalmente tendo em vista a grande demanda dos clientes Santander por esse tipo de serviço.

A tecnologia blockchain também tem despertado o interesse do Banco Santander, e especialistas acreditam que está nos planos da instituição tokenizar os ativos do mercado tradicional e ampliar o acesso aos ativos digitais.

Na plataforma oficial do BSBR, já constam informações sobre o que são criptomoedas, e também sobre como comprar e investir em ativos digitais, além de uma apresentação acerca da tecnologia blockchain, bem como sobre como os usuários do banco podem adquirir Bitcoin (BTC), a primeira cripto descentralizada de código aberto do mundo.

O anúncio do Banco Santander sobre os planos para a realização de transações por meio de criptomoedas, em razão da alta demanda de seus usuários, está em sintonia com diversas outras instituições financeiras, tais como o Nubank, startup brasileira que recentemente lançou soluções em criptoativos, por meio do Nubank Cripto.

No caso do Nubank, apesar de não descartar a possibilidade de ampliar os ativos digitais aceitos na plataforma, as transações com criptomoedas tiveram início pelas maiores criptos da atualidade, o Bitcoin (BTC) e o Ethereum (ETH), que juntas representam cerca de 60% do mercado. Três semanas após o lançamento do serviço, o Nubank afirmou que alcançou o total de um milhão de clientes que negociam com criptomoedas.

A plataforma do Mercado Pago, que, ainda que de forma limitada, aceita transações em criptomoedas desde o final do ano de 2021, também decidiu se juntar a essa tendência global e passou a aceitar transferências em Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e Pax Dollar (USDP) nas carteiras digitais dos seus clientes.

O Santander, por sua vez, ainda não anunciou quais serão as criptomoedas disponíveis para transações, mas o banco não é novo no mercado de ativos digitais. No ano de 2018, o Santander lançou o aplicativo de serviços bancários digitais, chamado de One Pay FX, utilizado para realização de pagamentos internacionais. O aplicativo é alimentado pela Ripple e está disponível para clientes no Brasil.

Além disso, no ano de 2019, o Banco Santander realizou um experimento de emissão de títulos na rede Ethereum e, desde o ano de 2020, tem utilizado a blockchain Ripple para diminuir os custos das remessas internacionais por meio de criptoativos.

O investimento em criptoativos pode não ser adequado para investidores novatos, que podem perder o total do valor investido.

Notícias relacionadas


Permaneça conectado

Junte-se a mais de 100.000 de seus colegas e receba nosso boletim informativo semanal que apresenta as principais tendências, notícias e análises de especialistas para ajudar a mantê-lo à frente da curva