Defi 2.0 Terra Luna

O preço da criptomoeda LUNA 2.0 chegou a US$1,98 nesta terça-feira, 21 de junho, após as autoridades da Coreia do Sul anunciarem medidas para impedir que os desenvolvedores deixem o país.

Segundo o canal coreano JTBC News, os promotores do país impuseram restrições de viagem aos desenvolvedores da blockchain Terra e aos ex-desenvolvedores do token, enquanto continuam as investigações sobre o crash da LUNA e da UST no Terra.

A Equipe de Investigação Conjunta de Crimes Financeiros e de Títulos anunciou que as restrições de viagem são para evitar que pessoas de interesse no caso deixem o país. A medida sugere que a agência local poderia estar se preparando para emitir buscas e apreensões, assim como intimações para os envolvidos no caso.

O investimento em criptoativos pode não ser adequado para investidores novatos, que podem perder o total do valor investido.

Crash da LUNA

O que aconteceu à Terra (LUNA) foi a inflação da oferta em circulação.

A forte inflação levou à equipe da Terraform Labs a parar o blockchain Terra, mas era tarde demais — a hiper-inflação fez com que o fornecimento de moedas LUNA em circulação aumentasse de cerca de 350 milhões para 6,5 trilhões durante a queda, um aumento superior a 18.000 vezes.

Com esse aumento gigantesco e repentino, a moeda se tornou menos valiosa. Em meio ao pânico da queda-livre, investidores começaram a vender seus estoques de LUNA e a moeda perdeu 99% do seu valor — caindo de US$119 para menos de 1 dólar, e chegando depois a US$0,00000112.

Tudo começou quando a TerraUSD (UST) perdeu o seu peg a uma medida maior do que o normal e quem tinha TerraUSD não esperou pela estabilização, fazendo o dumping o seu UST pela LUNA e criando uma oferta maior de LUNA.

A queda histórica e os bilhões de dólares perdidos fizeram com que as autoridades sul-coreanos começassem a investigar possíveis fraudes e lavagem de dinheiro.

No momento, as projeções para a LUNA são variadas, fazendo alguns apostarem na recuperação do valor do token, enquanto outros esperam que o preço siga baixo.

Notícias relacionadas


Permaneça conectado

Junte-se a mais de 100.000 de seus colegas e receba nosso boletim informativo semanal que apresenta as principais tendências, notícias e análises de especialistas para ajudar a mantê-lo à frente da curva

Tópicos populares

Nenhum conteúdo encontrado, volte em breve!